Transtornos tecnológicos e o pulso firme dos pais

O transtorno tecnológico gera um padrão contínuo e inadequado de comportamento, comprometendo a rotina de vida do indivíduo e os relacionamentos sociais. O "vício tecnológico" tem sido identificado em todas as idades, atuando como um gatilho para ansiedade, depressão e outros transtornos mentais.

O King's College, de Londres, acompanhou mais de 120.000 crianças e adolescentes entre 6 e 19 anos de idade, em diversos países, por vários anos. Foram detectados nesse período efeitos negativos relacionados ao uso de aparelhos eletrônicos de comunicação. Foi observado má qualidade do sono, obesidade e depressão infantil entre outros problemas, motivados pelo uso desregrado de celulares, tablets e computadores em geral. Diversos textos foram elaborados, incluindo um sobre o risco de problemas do sono em crianças onde foi alertado que: "O transtorno do sono na infância é conhecido por ter efeitos adversos na saúde, incluindo dieta pobre, obesidade, comportamento sedativo, redução da função imune e crescimento atrofiado, bem como vínculos com problemas de saúde mental." (King's).

A preocupação do efeito do uso tecnológico excessivo em crianças tem crescido nos últimos anos. Em 2017 o Sistema de Aposentadoria dos Professores do Estado da Califórnia, junto com a empresa Jana Partners, enviaram um pedindo à fabricante Apple para que considere o desenvolvimento de um software intuitivo que permita aos pais realmente limitar o uso do telefone. O pedido foi motivado pela constatação do crescente vício em telefone entre os jovens nos EUA. É crescente o número de pais relatando aos professores que seus filhos não conseguem se afastar dos celulares.

Parece existir um dilema sério em relação as prestadoras de serviços e fabricantes de tecnologias de comunicação. Trabalhar para frear o uso tecnológico, auxiliando na conscientização dos problemas causados pelo uso excessivo pode acarretar significativa perda de lucros. Devido a esse dilema, o ônus dos riscos tecnológicos fica exclusivamente para os pais administrarem junto aos seus filhos.

Existe um consenso cada vez maior em todo o mundo, que as potenciais consequências em longo prazo das novas tecnologias de comunicação precisam ser pensadas atentamente, se nada for feito, uma geração doente, emocionalmente comprometida e viciada em tecnologia é o que podemos esperar para o futuro.

Basicamente, em termos de sociedade, a questão é se conseguiremos adquirir consciência quanto ao uso tecnológico ou se viraremos reféns de uma nova forma de vício generalizada. Você está conseguindo educar seus filhos sobre tecnologia?


Garanta sua privacidade!
Baixe aqui o Navegador Brave.